A bicicleta revolucionou o mundo! (Ainda bem!)

Um artigo muito interessante da BBC dá-nos a conhecer um pouco da história da bicicleta. Pierre Lallement, o jovem mecânico que estava nos EUA havia alguns meses, levou consigo uma máquina inventada por ele: uma construção de duas rodas com pedais chamada “velocípede”. Mais tarde, iria ser chamada de bicicleta. Lallement patenteou a sua invenção, que ainda não tinha marchas, nem correntes, ou freios.

A bicicleta mudou o mundo! (Ainda bem!) (2)
Foto reprodução

 

Este modelo foi rapidamente ultrapassado por outro, o chamado Penny Farthing, que tinha uma roda gigante na frente e uma pequena atrás – um veículo que não era fácil de guiar, mas que era duas vezes mais rápido que o velocípede. Eram os jovens mais destemidos que o conduziam.

A bicicleta mudou o mundo! (Ainda bem!) (3)
Foto reprodução

 

A versão seguinte, a “bicicleta segura”, atraiu um grupo muito maior. Esta bicicleta era muito parecida com as bicicletas modernas, com correia, rodas do mesmo tamanho e um quadro em forma de diamante. A velocidade era alcançada graças a engrenagens.

E nesta altura era possível conduzir essas bicicletas até de vestido. Não que isso preocupasse Angeline Allen, por exemplo, que causou sensação em 1983 pedalando nos arredores de Nova York.

A bicicleta mudou o mundo! (Ainda bem!) (4)
Foto reprodução

 

A bicicleta foi uma força libertadora para as mulheres. Começaram até a usar roupas mais confortáveis para conseguirem pedalar e isso também significava poderem deslocar-se sem acompanhantes. Os mais conservadores ficaram alarmados.

Segundo a historiadora Margaret Guroff, no caso de Angeline Allen, ninguém parecia preocupado com o facto dela andar de bicicleta. Uma mulher vista sozinha de bicicleta, em público, começou a não parecer um escândalo.

Três anos depois, Susan B. Anthony, ativista dos direitos das mulheres no século XIX, declarou que a bicicleta havia feito “mais pela emancipação das mulheres do que qualquer outra coisa no mundo”.

Hoje, a bicicleta continua a dar poder às mulheres. Vejamos o exemplo da Índia.

A bicicleta mudou o mundo! (Ainda bem!) (5)
Foto reprodução

 

Em 2006, o governo do Estado de Bihar, na Índia, começou a subsidiar a compra de bicicletas para meninas adolescentes que estavam a começar o ensino médio, com o intuito de que elas pudessem percorrer os vários quilómetros necessários para irem às aulas.  E isto funcionou.

Nos Estados Unidos, LeBron James, estrela do basquetebol, fundou uma escola em Ohio que dá uma bicicleta a cada estudante, porque quando era jovem diz que se sentia extremamente feliz quando andava de bicicleta com os amigos.

A bicicleta tem sido, desde há muito tempo, uma tecnologia libertadora para os mais as pessoas com mais dificuldades económicas. No início, elas eram muito mais baratas do que um cavalo, por exemplo.

A bicicleta também impulsionou uma revolução na indústria, assim como uma revolução social.

Na primeira metade do século XIX, a bicicleta conseguiu criar uma ponte entre o fabrico de produtos militares de ponta e a difusão da produção em série de produtos complexos.

Os fabricantes de bicicletas desenvolveram técnicas simples e facilmente replicáveis ​​- como estampar chapas de metal frio para criar novas formas – para manter os custos baixos sem esquecer a qualidade.

A bicicleta mudou o mundo! (Ainda bem!) (6)
Foto reprodução

 

A primeira bicicleta segura foi feita em 1885 na fábrica da Rover, em Coventry, Inglaterra.

A bicicleta também foi um impulso para a modernização da indústria no Japão. O primeiro passo para isso foi a importação de bicicletas do Ocidente para a capital, Tóquio, por volta do ano de 1890. Depois, foram criadas oficinas para arranjar bicicletas. O passo seguinte foi o início da produção local de peças de reposição. 10 anos depois, Tóquio dispunha de todos os ingredientes para produzir as suas próprias bicicletas. Quando a Segunda Guerra Mundial eclodiu, o país já fabricava mais de meio milhão de bicicletas por ano.

A bicicleta mudou o mundo! (Ainda bem!) (7).jpg
Foto reprodução

 

Há meio século, a produção mundial de bicicletas e carros era quase a mesma – 20 milhões, cada, por ano. A produção de carros triplicou desde então, mas a produção de bicicletas aumentou duas vezes mais rápido – para cerca de 120 milhões por ano.

Hoje em dia, as bicicletas elétricas já são a nova aposta e cada vez com mais procura por parte de todas as pessoas. E a popularidade das bicicletas só tenderá a aumentar…

Novo Shimano Steps componentes de bikes elétricas para ciclismo urbano e off-road (6)
Foto reprodução

Fonte: BBC

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.