L'Étape Brasil registra aumento na participação feminina

L'Étape Brasil
Mulheres já representam quase 1/4 das inscrições na principal no L’Étape Brasil

O L’Étape Brasil by Tour de France tem registrado um aumento significativo no número de mulheres inscritas na maior prova de ciclismo amador do País. Na edição 2019, que ocorreu em 29 de setembro, na cidade de Campos do Jordão (SP), 22% eram do sexo feminino. Contudo dados oficiais, a etapa brasileira é a que registra a maior quantidade de ciclistas no mundo.

Em 2020

Nesse sentido para 2020, a organização espera que esse número continue em evolução. A prova está marcada para o dia 27 de setembro, também no interior de São Paulo.

L'Étape Brasil
L’Étape Brasil 2019
(Créditos: Agência Ophelia/ FOTOP)

A alemã Nadine Gill se tornou bicampeã da prova em 2019, completando o percurso de 107 quilômetros em 3h15min36, com mais de 15 minutos na frente segunda colocada (Taise Benato). Na versão de 66 quilômetros, a vencedora foi Mariana Mendes. 

 ”A prova brasileira tem essa característica, isto é trazer muitas mulheres e esse percentual vem crescendo consideravelmente nos cinco anos de competição. As mulheres se sentem mais seguras para pedalarem no L’Etape Brasil por conseqüência de 100% das vias bloqueadas para os ciclistas”, disse Bruno Prada.

”Fora isso, a competição está ficando mais acirrada a cada ano, com mulheres fortes, bem preparadas e com alto nível técnico”.

A prova do L’Étape é realizada na Austrália, Brasil, China, Colômbia, Estados Unidos, Marrocos, México, Reino Unido, Suíça e Tailândia. A França, país sede da competição, também abre espaço aos amadores pedalarem no mesmo percurso dos profissionais! A cada ano, desde 1993, o pelotão reúne de 15.000 ciclistas de 50 nacionalidades. É considerado o maior evento de ciclismo da Europa.

”Eu pedalo há mais de 25 anos e tenho assistido esse boom de mulheres. O ciclismo é um esporte majoritariamente masculino. Na minha época, era difícil até participar de provas, algumas vezes eu chegava e não tinha com quem competir”, explicou a ciclista amadora Claudia Lencioni.

”Alguns pontos favorecem esse crescimento das mulheres, que incluem os grupos de todos os níveis de pedalada. As mulheres também usam o ciclismo como complemento da academia, na questão da parte aeróbica, os resultados são muito rápidos”.

letape Brasil
Nadine Gil campeã do L’Étape Brasil 2019
(Créditos: Agência Ophelia/ FOTOP)
Nadine vence o L’Étape Austrália 2019

A vencedora da prova brasileira por dois anos seguidos repetiu o feito na etapa australiana da prova, realizada no dia 30 de novembro. A ciclista alemã radicada no Brasil venceu o percurso de 138 km em 5h17min55. 

“O L’Étape Australia foi maravilhoso, mas uma prova muito dura. Foi bem diferente do Brasil, porque não era apenas uma prova amadora, foi uma parte da liga nacional de elite da Austrália”.

”Portanto, os organizadores permitiram que as atletas profissionais começassem a prova separadas dos homens”, comentou Nadine. 

A atleta, que mora no Brasil desde 2016, lembrou a dificuldade da prova. 

“Eu poderia entrar no pelotão feminino, o que era bom, mas também significava seria uma prova muito solitária. Na primeira montanha, por volta do quilômetro 85 (no meio do caminho), fui forte e no topo estava sozinha. Então eu continuei e consegui ganhar sozinha”. 

“Mas foi muito, muito difícil: as outras meninas por outro lado tinham carros de apoio da equipe, eu tive que parar para beber água. Na montanha mais alta começou a nevar e havia um vento forte. Estou muito feliz por ter conseguido e mas também muito agradecida por esta viagem”, finalizou Nadine Gill.

Letape Brasil
L’Étape Brasil 2019 foi realizado em Campos do Jordão
(Créditos: Agência Ophelia/ FOTOP)
Inscrições para 2020

Os inscritos recebem no kit oficial uma jersey de ciclismo com chips de cronometragem, números para bicicleta e costas, além de receberem suporte durante a corrida, como atendimento mecânico, médico e bem como fisioterapia.

Em 2019, a prova teve pela primeira vez a presença do alemão Didi Senft, mais conhecido como o Diabo do Tour ou Didi, ou the Devil. O animador que se veste de demônio nas etapas do Tour de France esteve na cidade paulista apoiando os ciclistas.

Link para as inscrições

Grandes nomes do esporte, como o treinador Bernardinho Rezende, o campeão olímpico Nalbert e mas também o piloto Ricardo Maurício da Stock Car, participaram do Tour de France. As principais assessorias esportivas do País também mandaram seus representantes.

O título de 2019 do L’Étape Brasil ficou mais uma vez com o ciclista Otávio Bulgarelli, com a marca de 3h07min02s20. O resultado foi definido praticamente no photo-finsish, na disputa com Ricardo Pichetta, em segundo lugar, colado na linha de chegada.

Mais informações no site oficial

Letape Brasil
Mulheres ciclistas (Créditos: Agência Ophelia/ FOTOP)
Além disso você também pode se interessar:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.