12ª Copa América de DH 4X: Tomas Slavik e Luana Oliveira vencem

Copa América de DH
Checo Tomas Slavik vence e quebra hegemonia do Brasil, entre as mulheres, Luana Oliveira voltou às disputas em grande estilo

Tomas Slavik quebrou a hegemonia brasileira e ficou em primeiro lugar na Copa América de DH 4X 2020. Em uma disputa eletrizante e com muita briga pelo primeiro lugar, o competidor da República Checa sagrou-se campeão da 12ª edição da prova realizada neste domingo (19) na pista do Ski Mountain Park, em São Roque (SP). Aliás Slavik andou forte o fim de semana todo, liderou as baterias em que esteve presente e fechou a chave final com o tempo de 48seg893. O brasileiro Gabriel Giovannini ficou em segundo, depois de travar um duelo equilibrado com o checo. Por fim Ian Rojas, do Chile, e Tiago Lumertz, do Rio Grande do Sul, completaram o pódio, em terceiro e quarto, respectivamente.

Entre as mulheres

No feminino, mais pegas eletrizantes definiram Luana Maria de Souza Oliveira em primeiro lugar na edição 2020. A atleta de Santa Catarina voltou às disputas em grande estilo, faturando o título ao completar a prova em 56seg869. Bruna Ulrich, um dos destaques entre as mulheres, também brilhou e em segundo lugar, depois de bons pegas com a vencedora Luana. Por fim a mineira Bárbara Jechow e Ana Maria Xavier dos Santos, também de Santa Catarina, ficaram em terceiro e quarto, completando o pódio.

Criado em 2002 e disputado até 2006, o evento retornou em 2014 com a mesma força. Em sua 12ª edição, a Copa América de DH 4x chegou com a expectativa de tirar o fôlego desde a primeira bateria. E a previsão de baterias eletrizantes se confirmou. Garantindo emoção e disputas do começo ao fim. Os pilotos precisaram de muita habilidade e ousadia para superar adversários e, principalmente, os desafios de uma pista técnica, com 600 metros, 13 obstáculos e oito curvas.

A edição 2020

A 12ª edição apresentou com equilíbrio e muita adrenalina, desde a tomada de tempos, mas Tomas Slavik mostrou que está no melhor da forma e proporcionou um grande desempenho ao público, travando um duelo emocionante com o bicampeão Gabriel Giovannini. E, depois do vice-campeonato em 2019, o checo comemorou sua primeira vitória, conquistada à base da força e técnica.

Slavik vibrava a chegada em cada descida. Sempre pedalando forte e ditando bom ritmo, assim o checo liderou as baterias que participou e na final, fez uma bonita e inesquecível disputa com o brasileiro. Foram quatro trocas de posições entre eles, durante os 600 metros da pista. Na final, extravasou ao completar em primeiro.

“Foi uma das melhores provas que já participei. Eu larguei bem, mas o Gabriel também vinha forte. Eu liderava e ele estava bem perto. Depois ele me passou, eu passei ele, trocamos as posições algumas vezes em um duelo muito legal mesmo. Andei no meu limite o tempo todo. Foi uma disputa limpa e bonita. Estou feliz em fazer parte desta competição. É uma prova bem legal”, comemorou o campeão da edição 2020, o checo de 32 anos.

Giovannini ressaltou o alto nível da disputa. “Eu já sabia que o Slavik seria um adversário forte e que a disputa seria dura. Ele veio muito bem nas baterias dele, e na final travamos um belo duelo, com quatro ultrapassagens entre nós pelo percurso. Eu estava rápido o fim de semana todo e o nível da competição estava alto. Essa final eletrizante confirmou isso. Apesar de ficar em segundo lugar, estou feliz em fazer esse duelo com o Slavik e proporcionar uma disputa linda aos fãs”, contou Gabriel Giovannini, vice-campeão da 12ª edição da a Copa América de DH 4x.

Retorno em grande estilo de Luana Oliveira

A catarinense Luana Maria de Souza Oliveira, que retornou às disputas nessa prova, após se recuperar de lesão na mão, não esperava voltar a competir nesse nível. Assim afastada das pistas e sem subir em uma bicicleta há dois meses, comemorou e destacou o bom nível da disputa.

“Quando cheguei aqui, nos primeiros dias de treinos, quase desisti. Não estava confiante. Mas continuei, fui melhorando meus tempos. Competi sem pressão, o que foi bom, pois consegui me divertir. Tirei o gesso da mão há pouco mais de uma semana e não esperava esse resultado. Mas foi incrível competir novamente, e estar junto com as meninas e amigos. Foi bacana ver a Bruna (Ulrich), com quem eu competia há tempos, vindo num ritmo forte. E também gostei de ver mais meninas participando. O que é ótimo para o esporte”, disse a atleta de Florianópolis.

Nesse sentido mais informações sobre a Copa América de DH 4X no site

Além disso você também pode se interessar:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.