Mercado de bicicletas elétricas chega a R$ 190 milhões e cresce 28,4%

e-bike

Boletim técnico desenvolvido em parceria com a Multiplicidade Mobilidade é lançado nesta semana com dados inéditos

As bicicletas elétricas seguem vivendo um crescimento contínuo no mercado brasileiro. Seguindo a tendência registrada entre 2016 e 2019, em 2020 mais uma vez o segmento continuou crescendo: foram 32.110 unidades, crescimento de 28,4% em comparação com o ano anterior e alcançando o patamar de R$ 190 milhões em vendas durante o ano. Os dados são do Boletim do Mercado de Bicicletas Elétricas 2021, idealizado e desenvolvido pela Aliança Bike (Associação Brasileira do Setor de Bicicletas), em parceria com a Multiplicidade Mobilidade.

O cálculo foi feito com o cruzamento da base de dados de três fontes distintas: a base Siscori, da Receita Federal; de associados da Aliança Bike; e de informativos mensais da Abraciclo (Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares) sobre a produção no Polo Industrial de Manaus. Desta forma, o número total foi de 32.110 bicicletas elétricas no país, sendo 14.247 importadas (base Siscori), 13.163 produzidas fora do Polo Industrial de Manaus (dados Aliança Bike) e 4.700 produzidas em Manaus (dados Abraciclo).

O Boletim lançado nesta segunda-feira (26/04) conta com dados dos outros anos consolidadas na Revista Bicicletas Elétricas, lançada em setembro de 2020, acrescidos das informações coletadas em todo o ano passado e em janeiro, fevereiro e março de 2021. O Boletim completo pode ser visto neste link.

“Os dados de 2020 confirmam que o crescimento do mercado de bicicletas elétricas é sustentado e puxado pela demanda orgânica de mudanças nos hábitos de locomoção, de prática esportiva e de lazer da população. Contudo, são números ainda muito distantes do potencial deste mercado que, infelizmente, segue represado pela falta de políticas e de tratamento tributário adequado”, explica Daniel Guth, diretor executivo da Aliança Bike.

Em relação às vendas, o Boletim do Mercado de Bicicletas Elétricas 2021 aponta para uma movimentação recorde de aproximadamente R$ 190 milhões em 2020. O número é uma estimativa para todo o setor de bicicletas elétricas realizado a partir do levantamento com 18 montadoras e importadoras de bicicletas elétricas associadas à Aliança Bike. O preço médio das bicicletas elétricas foi calculado em R$ 5.900,00.

“Realizamos um levantamento sobre o uso das bikes elétricas em nosso sistema e percebemos um aumento de 112% da primeira para a segunda semana da inauguração, em outubro de 2020 e, comparando as duas primeiras com as duas últimas semanas (final de outubro), o crescimento foi de mais 49%. Seis meses após o lançamento, já somamos mais de 380 mil viagens”, ressalta Tomás Martins, CEO e co-fundador da Tembici, empresa associada Aliança Bike e responsável por sistemas de bicicletas compartilhadas em diversas cidades do país.

Foto divulgação
Projeções para o ano

Em setembro de 2020, quando a Revista Bicicletas Elétricas foi lançada, a projeção era de que o número de bicicletas elétricas no Brasil seria de 32 mil. Assim, a previsão foi acertada com margem de 0,3%.

Para este ano, a expectativa de mercado continua positiva. É importante, porém, colocar as projeções em perspectiva: embora o mercado brasileiro de bicicletas esteja em um excelente momento, tendo crescido 50% em vendas em 2020, desde agosto do ano passado o país passa por um desabastecimento de componentes.

Este fato ocorre especialmente porque o mercado nacional, assim como boa parte do mundo, é dependente das importações vindas da Ásia – que passou por um momento de falta de matéria-prima devido à alta nas vendas em todo o mundo.

Ainda assim, a perspectiva para 2021 é de um crescimento da ordem de 23%, no cenário mais conservador, alcançando 39.500 unidades de bicicletas elétricas no país. No cenário otimista, o crescimento será de 34%, atingindo 43 mil unidades até o final de 2021.

Série histórica das bicicletas elétricas no Brasil

Entre 2016 e 2019 as bicicletas elétricas já estavam em crescimento sustentado: no período citado, o crescimento médio foi de 34% ao ano. Já considerando os dados do Boletim recém lançado, os números desde 2016 são os seguintes:

2016: 7.600 bicicletas elétricas
2017: 7.200 bicicletas elétricas
2018: 22.500 bicicletas elétricas
2019: 25.000 bicicletas elétricas
2020: 32.110 bicicletas elétricas

Mesmo com o mercado em crescimento, um dos principais entraves para o avanço é a carga tributária. De acordo com o levantamento apresentado na Revista Bicicletas Elétricas de 2020, 90% dos ciclistas que utilizam o veículo acreditam que o preço mais acessível faria com que mais pessoas comprassem bicicletas elétricas.

Na parte fiscal, as bikes elétricas são equiparadas aos ciclomotores e não às bicicletas convencionais. Ao todo, os impostos relacionados a este meio de transporte alcançam 85% do custo.

Sobre a Aliança Bike

Criada em 2003 e formalizada em 2009, a Aliança Bike tem como missão principal fortalecer a economia da bicicleta, além de trabalhar para que mais pessoas pedalem no Brasil. A entidade atua em diversas frentes de trabalho para atingir os objetivos. Conta com mais de 110 associados entre fabricantes, montadores, importadores, distribuidores e lojistas.

Foto capa divulgação

Aviso: Se você é o detentor dos direitos autorais das imagens utilizada nessa matéria, entre em contato para que possamos dar os devidos créditos ou retirar, caso assim seja necessário.

Além disso você também pode se interessar:

Clique aqui e veja os descontos que nossos parceiros concede para nossa audiência!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.