Paraciclismo brasileiro finaliza Tóquio com 4° lugar de Chaman na Estrada

Paraciclismo brasileiro

Prova de resistência realizada na noite desta quinta (2/9) contou com dois brasileiros. André Grizante completou na 17a colocação

O brasileiro Lauro Chaman ficou em quarto lugar na prova de resistência da categoria MC4-5, disputada na noite desta quinta-feira (2/9). Assim, a prova que encerrou a programação do Paraciclismo nos Jogos Paralímpicos de Tóquio. André Grizante terminou na 17a colocação.

Ainda se recuperando da queda no Contrarrelógio, Lauro completou os 92,4km da prova de resistência em 2h17min11s, ficando a 1min51s da medalha de bronze. O terceiro lugar ficou com o holandês Daniel Gebru com 2h15min20s. O francês Kevin le CUNFF dominou completamente a parte final da prova e garantiu o ouro com 2h14min49s. Em segundo lugar, o ucraniano Yehor Dementiev, medalhista de prata após superar uma queda ainda nas primeiras voltas.

“Primeiramente eu gostaria de agradecer a confederação e o Comitê Paralímpico Brasileiro por tudo que fazem pelo paraciclismo. Fizemos uma preparação intensa para os Jogos, com todo o suporte necessário para chegar aqui em ótimas condições, então eu queria muito ter conquistado uma medalha. Entreguei tudo nas provas, mas nem sempre as coisas acontecem do jeito que imaginamos”, assim declarou Lauro Chaman.

A prova foi intensa do início ao fim

Mesmo com a pista molhada, devido à chuva, os atletas não economizaram energia e arriscaram tudo. Vários ataques aconteceram e a decisão ficou apenas para as últimas voltas, já com o pelotão selecionado, quando Yehor Dementiev conseguiu abrir uma pequena vantagem, sendo perseguido e alcançado por Kevin, que logo contra-atacou e seguiu isolado para vencer. Lauro Chaman lutou bravamente, chegou até a liderar a prova em vários momentos, mas muito marcado e acabou sentindo o ritmo no final da prova, terminando na quarta colocação.

“O circuito foi muito duro, favorecia os atletas que sobem bem, mas de qualquer forma eu sempre procurei estar na frente, fazendo parte das fugas e revezando nas primeiras posições para manter o grupo principal selecionado. Infelizmente no final, em um momento decisivo, onde já estávamos apenas em quatro atletas, eu acabei não conseguindo responder aos ataques dos meus adversários e terminei fora do pódio. Mas eu estou muito grato pela oportunidade e feliz também pela torcida de todos”, por fim completou.

A equipe brasileira de Paraciclismo competiu em Tóquio com Lauro Chaman, Carlos Soares e André Grizante, nas provas masculinas. Enquanto Ana Raquel e Jady Malavazzi representaram a seleção no feminino. A delegação foi composta pelos técnicos Armando Camargo, Cláudio Civatti e Cláudio Diegues, pelo mecânico Adilson Oliveira, pelo Coordenador Romolo Lazzaretti e por Edilson Rocha “Tubiba”, Chefe de Equipe nos Jogos Paralímpicos.

Foto divulgação JB Benavent/CBC

Aviso: Se você é o detentor dos direitos autorais das imagens utilizada nessa matéria, entre em contato para que possamos dar os devidos créditos ou retirar, caso assim seja necessário.

Além disso você também pode se interessar:

Clique aqui e veja os descontos que nossos parceiros concede para nossa audiência!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.