Pastilhas de freio a disco, entendas as diferenças, orgânica x semimetálica x metálica

pastilhas de freio

Tudo o que você precisa saber sobre pastilhas de freio a disco

Todos os freios a disco, sejam hidráulicos ou mecânicos, funcionam da mesma maneira, empurrando duas pastilhas de freio a disco contra as laterais do rotor/disco de freio para reduzir ou parar sua bicicleta.

Como acontece com a maioria das coisas no ciclismo, no entanto, até mesmo um componente aparentemente simples e de consumo regular, como pastilhas de freio a disco, apresentam uma variedade de opções.

Com o tempo, as pastilhas da sua bicicleta ficarão gastas, portanto, é necessário verificar regularmente se há desgaste para então realizar a troca.

Você também pode trocar e mudar o composto de suas pastilhas se não estiver satisfeito com o desempenho de frenagem, com diferentes pastilhas mais adequadas para diferentes condições.

Quais pastilhas de freio a disco você precisa para sua bicicleta?

Aqui está tudo o que você precisa saber, incluindo como as pastilhas de freio a disco funcionam, quando substituir as pastilhas de freio a disco e os diferentes materiais disponíveis.

Como funcionam as pastilhas de freio a disco?

Como um guia geral, você deve substituir as pastilhas de freio a disco quando a camada de material de freio atingir 1,5 mm ou menos de espessura.

A rapidez com que isso acontece depende do tipo de tocada/pilotagem/estilo que você faz e das condições em que você pedala, bem como da composição do material de frenagem.

Condições úmidas e sujas desgastam as pastilhas mais rápido do que condições secas. Você pode surpreendentemente até precisar levar um conjunto de reposição com você em viagens excepcionalmente longas e trocá-los no meio da viagem. Em condições secas, você provavelmente terá uma vida muito mais longa com um conjunto de pastilhas.

As pedaladas mais radicais, como o MTB Downhill, desgastam as pastilhas mais rapidamente do que o MTB XC ou o ciclismo em estrada em geral.

Você também pode obter desgaste irregular das pastilhas se elas não estiverem alinhadas corretamente com o disco ou podem ficar em contato com o disco, mesmo quando não estiverem apertando o manete.

Quando se trata de desgaste da pastilha, você definitivamente não quer chegar ao ponto em que haja contato de metal com metal entre o suporte da pastilha e o disco, porque isso não apenas reduzirá o desempenho de frenagem, mas também danificará rapidamente o disco.

Quais pastilhas de freio a disco você precisa para sua bicicleta?

Como muitos componentes de bicicletas, as pastilhas de freio a disco vêm em uma variedade de formas e tamanhos para se adequar a diferentes modelos de freio, então a resposta mais obvia é aquelas que se encaixam nos seus freios.

Mas há mais opções de pastilhas do que isso, porque as mesmas podem ser feitas de uma variedade de materiais diferentes. A melhor opção para você depende do tipo de pilotagem que você está fazendo.

As almofadas podem ser orgânicas (ou de resina), sinterizadas (ou metálicas) ou semimetálicas e veremos os prós e os contras de cada uma.

Pastilhas de freio a disco orgânico

As pastilhas de freio a disco orgânico são geralmente feitas de Kevlar, borracha e sílica, unidas com resina.

Se você não curte freios barulhentos, as pastilhas orgânicas são para você. Também chamadas de pastilhas de resina, são a opção mais silenciosa. Também proporcionam uma frenagem mais acentuada e não necessitam de aquecimento antes de começarem a trabalhar bem.

O composto orgânico da pastilha ajuda a isolar o sistema do calor dos discos, de forma que menos calor seja transferido para o fluido de freio.

Uma pastilha orgânica também se desgasta mais rapidamente do que outras opções, portanto, você precisará trocá-la com mais frequência. Estas também não são compatíveis lama e agua, dessa maneira pode ficar vitrificadas, então pode ser necessário fazer uma raspagem/retifica.

As pastilhas orgânicas são uma boa opção para condições menos extremas e secas, assim funcionam bem para uso em bicicletas de estrada com freios a disco e MTB XC, especialmente em uso relativamente plano e sem descidas com uso muitos longo dos freios.

A favor
  • Resposta de frenagem inicial mais nítida
  • Rápida acomodação/adaptação ao disco
  • Excelente frenagem inicial, especialmente em baixas temperaturas
  • Mais silencioso
Contras
  • Desgaste mais rápido
  • Desempenho degradado e desgaste mais rápido quando as condições são úmidas ou sujas
  • A força de frenagem diminui em altas temperaturas
  • Pode vitrificar
Pastilhas de freio a disco metálicas (ou sinterizadas)

As pastilhas de freio metálicas ou sinterizadas são feitas de uma mistura de partículas metálicas pressionadas entre si.

Eles são mais duráveis ​​do que as pastilhas orgânicas e devem durar mais porque podem suportam muito melhor as condições de sujeira e umidade.

As pastilhas de freio metálicas também continuarão funcionando bem em temperaturas mais altas, embora o conteúdo de metal tenda a transferir mais calor para o fluido de freio na pinça do que uma pastilha orgânica.

Entretanto, as pastilhas de freio metálicas precisam de um tempo para aquecer antes de começarem a funcionar da melhor forma e são muito mais propensas a fazer barulho.

Pastilhas de freio a disco metálicas são uma boa opção se você pedalar no lado mais extremo, como downhill ou enduro. Mas também se você costuma pedalar em condições de lama.

A favor
  • Maior durabilidade
  • Forte poder de frenagem extrema
  • Mais consistente em condições úmidas e sujas
  • Pode suportar temperaturas mais altas
  • Não é propensa a vitrificar
Contras
  • Lenta acomodação/adaptação ao disco
  • Mais propensa a transferência de calor ao sistema
  • Mais propenso a ser barulhento
Pastilhas de freio a disco semimetálicas

As pastilhas semimetálicas procuram combinar as vantagens das pastilhas de freio orgânicas e metálicas, feitas então de um composto orgânico, mas incorporam partículas de metal para aumentar a durabilidade.

Outras vantagens incluem melhor poder de frenagem final do que pastilhas orgânicas em descidas longas combinadas com aquecimento mais rápido do que as metálicas.

Igualmente como as pastilhas orgânicas, elas têm tendência a vitrificar e costumam ser a opção mais cara. Elas não são tão silenciosos quanto as patilhas orgânicas.

Uma boa opção para estrada e MTB XC porque funcionam bem no molhado ou seco, sem sacrificar a longevidade.

A favor
  • Mais durável e melhor desempenho em clima úmido do que a orgânica
  • Potência de frenagem mais previsível do que as metálicas
  • Não demora tanto para aquecer como as metálicas
Contras
  • Mais caro do que outras opções
  • Pode ter tendência a vitrificarão
Troca de compostos de pastilha

Pode valer a pena experimentar patilhas diferentes, em vez de apenas substituir por iguais. Você também pode querer trocar as pastilhas entre a temporada de chuva e seca, optando por maior potência e desempenho mais silencioso das pastilhas orgânicas temporada de seca e a durabilidade da metálica na temporada de chuva.

Mas você também pode misturar e combinar pastilhas de freio, usando uma pastilha metálica ou semimetálica de maior durabilidade na parte traseira e uma orgânica na frente.

A pastilha frontal orgânica lhe dará mais poder de parada, mas à custa de um maior desgaste. A força de frenagem na traseiro não tem de ser tão grande como na dianteira e a pastilha mais dura deve durar mais e ser mais resistente às intempéries do tempo e lama.

Entretanto para obter um desempenho ideal, ao trocar os compostos das pastilhas, você também deve trocar os rotores do freio, porque as novas pastilhas não agarrarão tão bem nas camadas de material depositadas pelas pastilhas anteriores.

Contudo manter os mesmos rotores não será um desastre. Mas apenas mais tempo na acomodação/adaptação das novas patilhas ao disco.

Outros fatores a serem considerados

Mas também vale a pena considerar o material de base usado nas pastilhas de freio. Pode não ter escolha nisso, mas algumas marcas fazem pastilhas com placas de base em alumínio ou aço. O que dessa maneira economiza alguns gramas e às vezes vem com alegações de melhor dissipação de calor à favor do alumínio

Igualmente pastilhas de titânio também estão disponíveis, mais difíceis de encontrar, melhoram a frenagem.

Também é cada vez mais comum ver pastilhas de freio a disco com aletas de resfriamento integradas, que melhoram o desempenho de frenagem usando o fluxo de ar para esfriar rapidamente o calor da superfície da pastilha.

Fotos divulgação

Aviso: Se você é o detentor dos direitos autorais das imagens utilizada nessa matéria, entre em contato para que possamos dar os devidos créditos ou retirar, caso assim seja necessário.

Além disso você também pode se interessar:

Clique aqui e veja os descontos que nossos parceiros concede para nossa audiência!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.